Faça parte dessa história

Inscreva- se aqui à qualquer momento,
se deseja ajudar de alguma maneira!!
Email
Nome

Nosso Blog

No dia 10 de Outubro a Bem Comum ofereceu uma atividade no evento Agita Lapenna na Zona Leste de São Paulo.

A atividade consistiu de vários elementos, entre eles um ritmo com copos e uma corrida em que os jovens tinham que cooperar para conseguir o objetivo.

A situação demandou muita improvisação da equipe da Bem Comum, já que a faixa etária, o número de jovens e o número de grupos diferentes não era como o esperado. Então o planejamento tinha que ser adaptado, mas fizemos isso com facilidade.

Tínhamos combinado que eu, Max, falaria em alemão para ver como os jovens iriam lidar com isso. Durante muito tempo, o Henrique também,  falou apenas, em “alemão”. Os jovens aceitaram bem o desafio de ter facilitadores que falavam outra língua e explicaram uns aos outros como eles interpretavam as nossas instruções.

Um desafio para nós era a flutuação constante dos jovens; sempre tinha alguns entrando e outros saindo. Então não poderíamos parar nenhum momento, sempre tinha que ter ação para chamar e manter a concentração da galera. E tivemos que motivá-los. No começo, o Henrique perguntou se eles queriam aprender alguma coisa nova. A resposta era bem reservada, pareceu que a palavra ‘aprender’ para os jovens tinha uma conotação bem negativa, igual “ficar quieto, sentar e ouvir o que o professor conta”. Então tivemos que explicar que a nossa idéia de aprendizagem é outra, assim os jovens se abriram ás nossas atividades.

Um momento bem interessante foi quando um menino chegou do meu lado e perguntou muitas coisas sobre a Alemanha e sobre mim. Através do meu sotaque ele tinha adivinhado que sou Alemão. Parece que no dia-a-dia , ele não tem contato com pessoas de outros países, por isso ele aproveitou a oportunidade de aprender mais sobre o exterior. Eu acho uma boa ideia e possível fazer mais encontros entres jovens da periferia e estrangeiros, já que estes jovens geralmente não têm a oportunidade de viajar à outros países ou de acessar comunidades de estrangeiros no Brasil, temos que trazer o mundo para eles, o interesse de aprender aparentemente não falta.

Comentários ( 0 )

    Envie um Comentário

    Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão destacados. *